quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Plano de Ensino


MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS
Centro de Letras e Comunicação

 Disciplina: Crítica Literária 
2º Semestre - 2013 - 4 créditos - 68 h/a

CURSOS:

  • Licenciatura em Letras – Português e Literaturas de Língua Portuguesa      (T1)
  • Licenciatura em Letras – Português e Espanhol e Respectivas Literaturas  (T1)
  • Licenciatura em Letras – Português e Alemão e Respectivas Literaturas     (T1)
  • Licenciatura em Letras – Português e Francês e Respectivas Literaturas     (T2)
  • Licenciatura em Letras – Português e Inglês e Respectivas Literaturas        (T2)

PROFESSOR:

                     João luis pereira ourique



EMENTA: Estudo da crítica literária brasileira através de sua história, abordagens e métodos, com a finalidade de aplicar esse conhecimento na leitura crítica de textos literários.



OBJETIVO:
- Propiciar ao aluno o estudo das principais escolas e correntes da crítica literária no Brasil.



OBJETIVO ESPECÍFICO:
- Leitura crítica de textos literários em prosa e verso.





CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Crítica literária no Brasil
1.1 O problema da definição do campo da literatura brasileira;
1.2 A construção do cânone brasileiro.
2. Literatura brasileira e a crítica literária no século XX
2.1 As principais correntes;
2.2 As correntes contemporâneas.
            3. Análise crítica de textos literários em prosa e verso
PROCEDIMENTOS:
Aulas expositivas e dialogadas. Leitura de textos teóricos e literários. Debates e discussões. Seminários. Serão destinadas 17 horas/aula para pesquisas e leituras a fim de atender a carga horária complementar da disciplina, totalizando 85 horas de atividades ao longo do semestre.



RECURSOS:
Data show, computador, equipamento de som, DVD player, quadro branco, fotocópias de textos teóricos e literários  – Arquivos em power point, doc e PDF, internet (e-mail, chat e blog), filmes, músicas.



AVALIAÇÃO:

Primeira avaliação – peso 10:
Elaboração de um artigo abordando o estudo de uma obra literária (a ser definida pelo aluno) a fim de aplicar pelo menos uma corrente crítica literária condizente com a proposta do texto. O artigo deverá ter no mínimo 10 páginas, apresentar resumo e palavras-chave (de três a cinco) e ser redigido de acordo com as normas científicas da UFPel (manual será disponibilizado em arquivo PDF para a turma).
Critérios: utilização adequada do referencial teórico-crítico, interpretação do texto literário em consonância com a abordagem crítica proposta, correção e adequação da linguagem, formatação do texto de acordo com as normas científicas, identificação de estudos prévios sobre o(s) tema(s) e a(s) obra(s) estudadas (fortuna crítica), atendimento às orientações e indicações de leitura (se for o caso) dadas ao longo do semestre para a versão final do artigo.

Segunda avaliação – peso 10:
Participação, mediante a postagem de comentários a questões e/ou trechos de obras críticas e teóricas, no blog (criticaliterariaufpel.blogspot.com.br). Serão 10 postagens no total, cada uma com valor de 1,0 ponto (o registro do comentário garantirá 0,5 ponto e o conteúdo do comentário mais 0,5 ponto).
Critérios: pertinência do comentário, adequação ao tema proposto, correção da linguagem (coesão e coerência) referências e citações (diretas e/ou indiretas) de obras teóricas e críticas.

Observação: a identificação de cópia ou plágio implicará na atribuição de nota zero para qualquer uma das atividades propostas.

Aprovação na disciplina:
Será considerado aprovado o aluno que, com pelo menos 75% de presenças na disciplina, obtiver média 7,0, resultado da soma da primeira e da segunda avaliação dividido por dois. O aluno que não frequentar no mínimo 75% da disciplina será considerado reprovado, independente da média obtida. O aluno que tiver a frequência mínima e atingir a média entre 3,0 e 6,9 poderá prestar exame, que consistirá na realização de uma prova (peso dez) sobre o conteúdo desenvolvido no semestre.

CRONOGRAMA:
1
09/10 - T1

11/10 - T2
4 aulas
·  Apresentação da disciplina. Comentários iniciais sobre avaliação e procedimentos de trabalho. Levantamento dos principais conceitos sobre teoria literária. Discussão e aprovação do plano de ensino da disciplina.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Magia e técnica, arte e política. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.
- CASTELO, José. O fracasso dos gêneros. In: _____. A literatura na poltrona. Rio de Janeiro: Record, 2007.
- COMPAGNON. Antoine. O demônio da teoria. Literatura e senso comum. Tradução: Cleonice Mourão e Consuelo Santiago. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.
- EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. Tradução: Waltensir Dutra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
2
16/10 - T1

18/10 - T2
4 aulas
·  Apresentação das principais correntes críticas da literatura. Diferenças entre teórico, crítico e historiador da literatura. Refletir sobre as aproximações/distanciamentos/diferenças entre os métodos críticos. Definição de uma linha de discussão de textos teórico-críticos para o desenvolvimento das atividades de leitura: (autor – sociedade – texto – leitor).
Indicação de leitura para a próxima semana:
                                         - ARISTÓTELES. Retórica.
3
23/10 - T1

25/10 - T2
4 aulas
·  Retórica e literatura: entender a abordagem retórica da literatura como uma modalidade intrínseca de crítica, que leva não apenas o texto em si, mas também o ato de emissão e seu efeito sobre o leitor – relação com a noção de experiência partilhada da Antiguidade Clássica, em especial os textos de Aristóteles e os conceitos fundamentais da teria literária (mimese, catarse e verossimilhança).
Indicação de leitura para a próxima semana:
- CHKLOVSKI, Vitor. A arte como procedimento. In: EIKHENBAUM, B. et alii. Teoria da literatura - Formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1978.
- TOMACHEVSKI, Boris. Temática. In: EIKHENBAUM, B. et alii. Teoria da literatura - Formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1978.
4
30/10 - T1

01/11 - T2
4 aulas
·  Formalismo Russo: inaugurou a perspectiva linguística da literatura que evidenciou como o texto poético instaura a consciência formal do discurso literário em seus níveis semântico, sintático e fonológico. New Criticism: se evidenciou pelo estudo minucioso dos elementos técnicos ou formais do texto literário.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- BARTHES, Roland. A morte do autor. In: _____. O rumor da língua. Tradução: Mario Laranjeira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
- TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2006.
5
06/11 - T1

08/11 - T2
4 aulas
·  Estruturalismo: a busca por um modelo que pudesse abordar todas as formas narrativas existentes.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- DERRIDA, Jacques. Força e significação. In: _____. A escritura e a diferença. 3. ed. Tradução: Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. São Paulo: Perspectiva, 2005.
6
13/11 - T1

22/11 - T2
4 aulas
·  Desconstrutivismo: se evidencia pela crítica à concepção metafísica que busca a unificação de sentido das coisas, dos sujeitos e do mundo.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- BAKHTIN, Mikhail. Problemas da Poética de Dostoiévski. Tradução: Paulo Bezerra. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
- _____. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução: Michel Lahud e Yara F. Vieira. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 1999. (Capítulo 1).
7
20/11 - T1

29/11 - T2
4 aulas
·  Literatura e sociedade: perspectiva marxista (experiência concreta – materialismo histórico), existencialismo (consequências do modo de agir/pensar) e Teoria Crítica da Sociedade – Escola de Frankfurt (crítica da razão instrumental).
Indicação de leitura para a próxima semana:
- ADORNO, Theodor. Crítica cultural e sociedade. In: _____. Prismas. Tradução: Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida. 2. ed. São Paulo: Ática, 1998.
- BENJAMIN, Walter. N [Teoria do Conhecimento, Teoria do Progresso] In: _____. Passagens. Tradução: Irene Aron e Cleonice Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.
- CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. Estudos de teoria e história literária. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006. (primeira parte).
8
27/11 - T1

06/12 - T2
4 aulas
·  Reflexão sobre a noção de cultura a partir dos textos indicados. Relacionar possibilidades de leitura do contexto em relação com a estrutura do texto – a indissociabilidade entre forma e conteúdo.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- AGUIAR, Flávio. As questões da crítica literária. In: MARTINS, Maria Helena (Org.). Outras leituras. São Paulo: Ed. Senac; Itaú Cultural, 2000.
- CANDIDO, Antonio. Notas de crítica literária. In: ____. Textos de intervenção. São Paulo: Livraria Duas Cidades; Editora 34, 2002.
- _____. O direito à literatura. E outros ensaios. Coimbra: Angelus Novus, 2004.
- CARVALHAL, Tania Franco. O próprio e o alheio no percurso literário brasileiro. In: _____. O próprio e o alheio. Ensaios de literatura comparada. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2003.
- REIS, Roberto. Cânon. In: JOBIM, José Luís (Org.). Palavras da crítica. Rio de Janeiro: Imago, 1992.
9
04/12 - T1

13/12 - T2
4 aulas
·  Discussão do papel da crítica literária no processo histórico da formação da sociedade brasileira. Abordagem dos principais elementos da teoria literária nas análises e interpretações de textos literários nos seus contextos histórico-sociais.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- ECO, Umberto. O modo simbólico. In: _____. Semiótica e filosofia da linguagem. Tradução: M. Fabris e J. L. Fiorin. São Paulo; Ática, 1991.
- GADAMER, Hans-Georg. Hermenêutica da obra de arte. Tradução: Marco Antonio Casanova. São Paulo: Martins Fontes, 2010. (capítulos 17 e 19).
10
11/12 - T1

20/12 - T2
4 aulas
·  Crítica hermenêutica e semiótica: abordagem do texto em suas possibilidades de leitura e interpretação. Evidenciar a aproximação da crítica literária com a perspectiva filosófica da busca pela compreensão. Discutir o papel dos signos e dos símbolos para a construção de sentidos.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- BACHELARD, Gaston. Devaneios sobre o devaneio. O sonhador de palavras. In: _____. A poética do devaneio. Tradução: Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
- FREUD, Sigmund. Determinismo, crença no acaso e superstição – alguns pontos de vista. In: _____. Psicopatologia da vida cotidiana. Rio de Janeiro: Imago, 1987.
- SOUSA, Edson Luiz André de. O inconsciente e as condições de uma autoria. Psicologia USP. São Paulo, v. 10, n. 1, p. 225-38, 1999.
- WUNENBURGER, Jean-Jacques; ARAÚJO, Alberto Filipe. Introdução ao imaginário. In: ARAÚJO, Alberto Filipe; BAPTISTA, Fernando Paulo (coord.). Variações sobre o imaginário. Domínio, teorizações, práticas hermenêuticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.
11
18/12 - T1

10/01 - T2
4 aulas
·  Crítica psicanalítica e poética do imaginário: as hipóteses fundamentais da psicanálise e o inconsciente. A relação com a ideia de inconsciente coletivo e o imaginário como elemento interpretativo das obras literárias.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- WHITE, Hayden. O texto histórico como artefato literário. In: _____. Trópicos do discurso. Tradução: Alípio Corrêa de Franca Neto. São Paulo: Edusp, 1994.
12
08/01 - T1

17/01 - T2
4 aulas
·  New historicism: evidencia a necessidade de restaurar a historicidade do texto e a dimensão histórica dos estudos literários.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- SARLO, Beatriz. Crítica do testemunho: sujeito e experiência. In: _____. Tempo passado. Cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução: Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.
- SELIGMANN-SILVA, Márcio. Apresentação da questão: a literatura do trauma. In: _____. (Org.). História, memória, literatura. O testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora Unicamp, 2003.
13
15/01 - T1

24/01 - T2
4 aulas
·  Literatura de testemunho: a história, o indivíduo e a sociedade; questões sobre a obra, a autoria e o leitor.
Indicação de leitura para a próxima semana:
- JAUSS, Hans Robert. A estética da recepção: colocações gerais. In: LIMA, Luiz Costa (org.). A literatura e o leitor. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
14
22/01 - T1

31/01 - T2
4 aulas
  • Estética da recepção: reflexão sobre o sujeito-leitor – o crítico como leitor. Propor uma discussão das demais correntes críticas a partir do seu processo de recepção. Orientações para tirar dúvidas sobre os trabalhos avaliativos.
15
29/01 - T1

07/02 - T2
4 aulas
  • Entrega dos trabalhos escritos - artigos
16
05/02 - T1

14/02 - T2
4 aulas
  • Retorno da avaliação dos trabalhos, espaço para questionamento e reescrita.
17
12/02
4 aulas
  • Encerramento da disciplina
  • Último prazo para entrega de trabalhos, pedidos de revisão para as duas turmas.
Total de aulas: 
68
Total de encontros:
17
BIBLIOGRAFIA:

ADORNO, Theodor. Crítica cultural e sociedade. In: _____. Prismas. Tradução: Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida. 2. ed. São Paulo: Ática, 1998.
AGUIAR, Flávio. As questões da crítica literária. In: MARTINS, Maria Helena (Org.). Outras leituras. São Paulo: Ed. Senac; Itaú Cultural, 2000.
BACHELARD, Gaston. Devaneios sobre o devaneio. O sonhador de palavras. In: _____. A poética do devaneio. Tradução: Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
BAKHTIN, Mikhail. Problemas da Poética de Dostoiévski. Tradução: Paulo Bezerra. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
_____. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução: Michel Lahud e Yara F. Vieira. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.
BARTHES, Roland. A morte do autor. In: _____. O rumor da língua. Tradução: Mario Laranjeira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Magia e técnica, arte e política. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.
_____. N [Teoria do Conhecimento, Teoria do Progresso] In: _____. Passagens. Tradução: Irene Aron e Cleonice Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.
COMPAGNON. Antoine. O demônio da teoria. Literatura e senso comum. Tradução: Cleonice Mourão e Consuelo Santiago. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.
CANDIDO, Antonio. Notas de crítica literária. In: ____. Textos de intervenção. São Paulo: Livraria Duas Cidades; Editora 34, 2002.
_____. O direito à literatura. E outros ensaios. Coimbra: Angelus Novus, 2004.
_____. Literatura e sociedade. Estudos de teoria e história literária. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.
CARVALHAL, Tania Franco. O próprio e o alheio no percurso literário brasileiro. In: _____. O próprio e o alheio. Ensaios de literatura comparada. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2003.
CASTELO, José. O fracasso dos gêneros. In: _____. A literatura na poltrona. Rio de Janeiro: Record, 2007.
DERRIDA, Jacques. Força e significação. In: _____. A escritura e a diferença. 3. ed. Tradução: Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. São Paulo: Perspectiva, 2005.
EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. Tradução: Waltensir Dutra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
ECO, Umberto. O modo simbólico. In: _____. Semiótica e filosofia da linguagem. Tradução: M. Fabris e J. L. Fiorin. São Paulo; Ática, 1991.
EIKHENBAUM, B. et alii. Teoria da literatura - Formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1978.
FREUD, Sigmund. Determinismo, crença no acaso e superstição – alguns pontos de vista. In: _____. Psicopatologia da vida cotidiana. Rio de Janeiro: Imago, 1987.
GADAMER, Hans-Georg. Hermenêutica da obra de arte. Tradução: Marco Antonio Casanova. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
JAUSS, Hans Robert. A estética da recepção: colocações gerais. In: LIMA, Luiz Costa (org.). A literatura e o leitor. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
REIS, Roberto. Cânon. In: JOBIM, José Luís (Org.). Palavras da crítica. Rio de Janeiro: Imago, 1992.
SARLO, Beatriz. Crítica do testemunho: sujeito e experiência. In: _____. Tempo passado. Cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução: Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Apresentação da questão: a literatura do trauma. In: _____. (Org.). História, memória, literatura. O testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora Unicamp, 2003.
SOUSA, Edson Luiz André de. O inconsciente e as condições de uma autoria. Psicologia USP. São Paulo, v. 10, n. 1, p. 225-38, 1999.
TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2006.
WHITE, Hayden. O texto histórico como artefato literário. In: _____. Trópicos do discurso. Tradução: Alípio Corrêa de Franca Neto. São Paulo: Edusp, 1994.
WUNENBURGER, Jean-Jacques; ARAÚJO, Alberto Filipe. Introdução ao imaginário. In: ARAÚJO, Alberto Filipe; BAPTISTA, Fernando Paulo (coord.). Variações sobre o imaginário. Domínio, teorizações, práticas hermenêuticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.


25 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá ótimo.
      Janaína Quintana de Oliveira

      Excluir
  2. Boa noite caro João Luís,
    Conforme solicitação, deixo aqui expresso que concordo com o Plano.
    Tenha ótimo fim de semana.
    Gilson Lopes
    SAB 19.10.2013

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde,
    Acredito que a avaliação está coerente. Não há necessidade de realizar modificações.
    Obs.: Sou o aluno da tarde que assisto a noite. Misael.

    ResponderExcluir
  4. Beatriz de Andrade Wendt,concordo com o plano de ensino.

    ResponderExcluir
  5. é isso e não precisa de mais farinha.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde!!
    Estou de acordo com as propostas do plano de ensino!

    ResponderExcluir
  7. Estive aqui.Estou em lua de mel e estou sem tempo para ler tudo isso!!!!

    ResponderExcluir